Após várias abordagens, semana termina com apenas uma tentativa de assalto a ônibus

por - 07/09/2014 18:18 - Atualizado em 19/04/2015 23:18

Por Diego Hervani/Reprodução JH.com.br

 

Depois de quase um mês de aumento nas ações ostensivas, as operações da Polícia Militar e Polícia Civil conseguiram apresentar resultados significativos, no que diz respeito ao combate as ações criminosas contra ônibus e táxis. De acordo com representantes das categorias, esta semana chega ao fim com apenas uma tentativa de assalto aos dois tipos de transporte coletivo.

Segundo Nastagnan Batista, presidente do Sindicato dos Rodoviários do RN (Sintro-RN), a única a queda tem sido considerável. “O único caso que chegou até o sindicato foi de uma tentativa de assalto, que o rapaz foi detido pela própria população até a chegada da Polícia Militar”, frisou Nastagnan, que ainda afirmou que depois de muito tempo, os rodoviários conseguiram trabalhar com uma sensação de segurança. “Foi uma semana consideravelmente tranquila. Há muito tempo que isso não acontecia. Vínhamos com uma médica de quase três assaltos por dia e também tivemos um colega nosso morto durante serviço, o que estava gerando uma situação muito complicada”.

Já a situação dos taxistas também mudou radicalmente. Depois de uma onde de assaltos e um motorista morto depois de criminosos utilizarem o veículo dele para realizarem um roubo a um caixa eletrônico e a uma loja de conveniência, a única ação criminosa contra um táxi aconteceu no bairro das Rocas. “Um rapaz estava ligando pedindo táxi. Quando os taxistas chegavam, ele atirava contra os motoristas. Mas em termos de assaltos, realmente não aconteceu. O que é um motivo de grande comemoração, pois a situação estava quase insuportável, com muitos colegas até cogitando abandonar a profissão com tanta insegurança”, detalhou Roberto Campos, presidente de Associação de Taxistas na Zona Norte.

As principais razões para a diminuição dos assaltos a esses transportes são as operações que a Polícia Militar tem feito nas regiões onde vinham ocorrendo uma maior incidência de crimes. “Nós deslocamos aumentamos a nossa ronda ostensiva nas regiões que os próprios taxistas e rodoviários nos falaram que estavam acontecendo uma maior quantidade de roubos. Estamos fazendo algumas blitzen para revistar quem estiver no veículo e também estamos fazendo um trabalho nas paradas de ônibus, exatamente para evitar que esse criminoso consiga entrar no ônibus armado”, comentou o coronel Francisco Araújo, comandante geral da Polícia Militar do Rio Grande do Norte.

Araújo também lembrou que a liberação de novas viaturas também ajudou na diminuição, assim como o trabalho em parceria com a Polícia Civil que culminou com a prisão de alguns suspeitos. “Estávamos com dificuldades para fazer a ronda ostensiva, já que tínhamos várias viaturas quebradas, que não podiam ir para as ruas. Nos últimos meses a Polícia Militar recebeu 60 novas viaturas, que já estão circulando. Então conseguimos mandar esses veículos para as regiões com maior incidência de crimes. Também conseguimos prender alguns elementos, depois deles terem cometido o assalto e até mesmo quando estavam se preparando para assaltar. Um trabalho importante feito em conjunto com o setor de inteligência da Polícia Civil”, explicou o coronel, que ainda completou. “Essas ações irão continuar. Estamos conseguindo um resultado muito positivo e melhorar ainda mais”.

Nastagnan Batista admitiu que o sistema de segurança tem feito um bom trabalho, mas afirmou que espera ainda mais. “Não adianta nada fazer esse trabalho agora e depois ir diminuindo ou até acabar. Assim os criminosos voltam. Queremos ainda mais. Não podemos admitir que aconteçam assaltos aos transportes coletivos. Os trabalhadores querem sair de casa sem medo de talvez não voltarem”.

De 1º de janeiro até 31 de julho, 490 assaltos foram registrados na capital do Estado, uma média que ultrapassa os 2,3 por dia. No mesmo período do ano passado mais de 520 assaltos aconteceram.

 

Foto: José Aldenir

COMENTÁRIOS