Nova Cruz: grades quebradas e presos sob controle

Fotos : Messias Lima

 

Começou por volta de 16h desta terça-feira, uma rebelião por parte dos presos da Cadeia Pública de Nova Cruz. A informação foi confirmada ao Portal NCO pela Central de Operações do 8º BPM. As primeiras informações são que os detentos quebraram algumas grades, porém, a situação até o momento está sob controle.

No final da tarde de ontem, um Tenente da PM foi atingindo na cabeça por uma pedra jogada do presídio, mas foi logo socorrido pela SAMU e passa bem.

20150318104520O BPChoque se deslocou de Natal e veio para Nova Cruz para ajudar no controle da situação e na segurança do presídio.

A Polícia Militar ainda alerta a população a tomar cuidado com boatos circulados através de redes sociais. Ao contrário do que espalham os boatos, não houve nenhuma fuga de presos na unidade prisional.

As reivindicações dos presos são por melhorias no humanitárias no sistema e a saída de uma diretora de Alcaçuz.

1 – Uma defensoria pública em todos os presídios do RN;

2 – Assistência médica (temos casos de tuberculose, presença de aidéticos e pessoas precisando de cirurgias urgentes);

3 – Revisão de todos os processos;

4 – “Diz o código penal que todos têm o direito acolhido, mas os presos do pavilhão 5 estão sem energia e os presos de Nova Cruz estão sendo espancados e sem visitas íntimas;

5 – Queremos visitas de parentes de 2º e 3º grau, porque além de entrar apenas um filho por preso, é obrigado a fazer alguns exames médicos que muitos familiares não têm como pagar;

6 – Pedimos a saída imediata da direção do presídio de Alcaçuz e de alguns agentes penitenciários que estão humilhando, xingando, espancando e colocando os cachorros para morderem os presos, como temos vários machucados;

7 – Pedimos a retirada da balança alimentar de Alcaçuz e o aumento da quantidade de itens alimentares que os familiares trazem;

8 – Pedimos que as agentes penitenciárias deixem de humilhar as visitas nas revistas íntimas;

9 – Pedimos a transferência de todos os presos do interior para suas comarcas de origem, perto de seus familiares;

10 – Pedimos também que acabe com as punições coletivas dentro dos presídios e que seja permitida entrada de papel, canetas e material bíblico para evangelização;

11 – Queremos punição justa aos presos do semiaberto;

12 – Pedimos que a OAB e os Direitos Humanos tomem frente das negociações, comunicando a todos do Rio Grande do Norte que demos a nossa palavra que, solucionando todos os problemas, acabaremos com as rebeliões.

Fotos: Messias Lima